Confiante no retorno ao CT, Alejo Muniz é mais um destaque no Mundial de Surf em Fernando de Noronha

Confiante no retorno ao CT, Alejo Muniz é mais um destaque no Oi Hang Loose Pro Contest, apresentado por Elétron Energy, em Fernando de Noronha

SURFISTA CATARINENSE JÁ FOI CAMPEÃO NA CACIMBA DO PADRE EM 2011 E TERCEIRO EM 2010

 

Em 2010, ele subiu ao pódio pela primeira vez, em terceiro lugar e garantiu sua classificação ao Championship Tour (CT). No ano seguinte, retornou e foi o campeão, em uma das principais conquistas de sua carreira. Em nova fase, confiante em sua volta à elite mundial, o catarinense Alejo Muniz aparece como um dos grandes destaques no Oi Hang Loose Pro Contest, apresentado por Elétron Energy, etapa do Circuito Mundial Qualifying Series (QS), da World Surf League (WSL), que tem início na próxima terça-feira (11), na Ilha de Fernando de Noronha.

A competição com status 5000 será disputada na Praia da Cacimba do Padre, que o surfista de Bombinhas conhece muito, desde os 13 anos de idade. O atleta está totalmente recuperado da cirurgia de reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho direito, na lesão que sofreu justamente durante a etapa de Noronha no ano passado.

Ele acredita que a vivência na onda, incluindo a vitória, podem ser uma vantagem para conseguir outro bom resultado e iniciar bem a temporada. “Eu acho que a experiência de ter vencido ajuda sim. Fora tantas vezes que fui para lá, tanto para competir como surfar. Noronha é um lugar de altas ondas, você tem de estar no momento certo para fazer as notas e acho que nessa hora o conhecimento conta bastante”, avalia.

“Noronha é uma onda que eu me identifico bastante, que quebra perto da areia, forte, tubular e me faz lembrar um pouco a minha praia, em Bombinhas. Acho que isso que me ajudou a vencer lá. Já consegui um primeiro e um terceiro. Não sei se chego como um dos favoritos, até por ter ficado quase o ano inteiro sem competir, mas estou me sentindo bem e pronto”, revela o atleta de 29 anos.

Depois da cirurgia, em março, ele ficou seis meses em recuperação, e em seu retorno, gostou de sua performance, retornando em setembro na perna europeia. Ele acredita que possa fazer uma grande temporada para estar de volta ao CT em 2021. Ele esteve no CT de 2011 a 2016 e por pouco não retornou em 2018. “Quando voltei a competir, estava em 670 do ranking e terminei em 47. Foi um pulo gigante. Estou me sentindo pronto, quero competir e ver o que vai dar. O objetivo é voltar para o CT”, enfatiza.

“Me considero bastante jovem até por tudo que já passei e com grandes chances de voltar. A expectativa é sempre a melhor e tenho de pensar o mais positivo possível. Esse ano está tudo certo, com a equipe que montei, a melhor que tive em todos os anos de competição, estou me sentido forte, preparado. Isso me dá bastante confiança”, reforça o surfista.

Em 2011, ele venceu na final o australiano Dion Atkinson e considera um de seus principais resultados na carreira até hoje, e o terceiro lugar no ano anterior também teve grande importância, por ter colaborado diretamente para seu ingresso no CT. “Na vitória, era meu primeiro ano de CT. Fui com o Paulo Kid, meu técnico e nem esperava vencer. Foi incrível por ser um evento de tanto prestígio no mundo do surf. No ano anterior, fiquei em terceiro, resultado que me fez entrar para o CT”, lembra.

“Eu nem sabia se ia correr o QS, por ser muito jovem e ter feito semifinal, meu melhor resultado na temporada, foi muito legal. É um momento marcante”, complementa Alejo, que tem boas recordações da ilha. “A primeira vez eu fui por um patrocinador, tinha 13 anos, era bem novinho, e quando cheguei não acreditei naquelas ondas. Nunca tinha viajado para nenhum lugar e vi aqueles tubos quebrando com aquela água clara. Foi uma experiência de paixão. Pensei: quero surfar sempre aqui para sempre”, conta.

Além da equipe de apoio que montou, Alejo demonstra satisfação total com seus patrocinadores, comentando que todas as empresas são brasileiras. “Muito orgulho de representar essas marcas e serei eternamente grato por acreditarem em mim e no meu sonho. Só tenho a agradecer. Sou uma pessoa de muita sorte. No momento que eu perdi meu patrocinador principal e meu segundo patrocinador, perdi os dois juntos, alguns meses depois já estava com nova marca, que é a Vida Marinha, aqui de Santa Catarina, que está apostando em mim”, agradece.

Com início marcado para a terça-feira, a etapa segue até o domingo dia 16 e já conta com amis de 100 atletas de 18 países. Além dos 5000 pontos no ranking, o vencedor fatura US$ 15 mil de prêmio. O Oi Hang Loose Pro Contest, apresentado por Elétron Energy, é uma realização da World Surf League (WSL) com patrocínios da Oi e Elétron Energy, através da Lei de Incentivo ao Esporte, do Governo de Pernambuco, tendo como proponente o Instituto Incentiva, e da Hang Loose.


CRÉDITO: DANIEL SMORIGO/WSL E MARCIO DAVID.


Divulgação e créditos por: FMA NOTÍCIAS – Fábio Maradei

 

(Visited 18 times, 1 visits today)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.